Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUMBÓFILIA

PÁGINA DE JOSÉ CARLOS ALMEIDA ROSA, DEDICADA À COLUMBÓFILIA !!! PROMOÇÃO E DIVULGAÇÃO DO DESPORTO COLUMBÓFILO !!!

COLUMBÓFILIA

PÁGINA DE JOSÉ CARLOS ALMEIDA ROSA, DEDICADA À COLUMBÓFILIA !!! PROMOÇÃO E DIVULGAÇÃO DO DESPORTO COLUMBÓFILO !!!

...

Documentário mostra Mike Tyson treinando pombos-correios para competição

 

Redação SRZD | Televisão| 03/03/2011 13h00

 

Foto: ReproduçãoA partir deste domingo, o canal "Animal Planet" vai começar a exibir um documentário dividido em seis partes, chamado de "Taking on Tyson", que mostra um lado mais sensível de Mike Tyson e revela seu amor pelos pombos. Antes do lutador se tornar um campeão, quando ainda vivia nas ruas pobres do Brooklyn, em Nova York, encontrou no animal um sentimento de paz e tranquilidade, que continuou até depois de se profissionalizar.

"A primeira coisa que amei na vida foi um pombo. Não sei por quê. Eu me sinto ridículo tentando explicar isso", disse o lutador de 44 anos.

"Os pombos fazem parte da minha vida. São uma constante de minha sanidade, de um jeito estranho. Se eu tiver a sorte de morrer velho, estarei criando pombos".

O documentário tem a intenção de mostrar a vida de um astro do boxe que teve todas as honras que o esporte propõe, e a desonra da prisão. Além disso, trata a subcultura das corridas competitivas de pombos-correios, prática conhecida como columbofilia. Tyson cria 2,5 mil pombos em diversos locais e nunca tinha participado com eles de competições, mas agora quer se tornar campeão mundial de corridas de pombos-correios.

"É preciso treinar todos os dias, se preparar. É como uma luta: se você não se preparar, não se sairá bem", contou o lutador se referindo ao treinamento com os pombos. "Mas, mesmo com todo treinamento do mundo, em última análise o que vale é a tenacidade dos pombos, sua perseverança e vontade de vencer".

O vídeo mostra Tyson com seus 300 pombos-correio que trata em um viveiro ao lado da academia onde treinava. Mas além disso, também vai contar da infância do atleta que cresceu sem pai e perdeu a mãe aos 16 anos. O lutador lembra da sua primeira briga, aos 11 anos, com um garoto mais velho que ele, que tinha arrancado a cabeça de um dos seus pombos. Aos 13 já havia sido preso algumas vezes por causa de brigas e pequenos delitos, sendo mandado para um reformatório.