Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

COLUMBÓFILIA

PÁGINA DE JOSÉ CARLOS ALMEIDA ROSA, DEDICADA À COLUMBÓFILIA !!! PROMOÇÃO E DIVULGAÇÃO DO DESPORTO COLUMBÓFILO !!!

COLUMBÓFILIA

PÁGINA DE JOSÉ CARLOS ALMEIDA ROSA, DEDICADA À COLUMBÓFILIA !!! PROMOÇÃO E DIVULGAÇÃO DO DESPORTO COLUMBÓFILO !!!

Pombo-correio de Portalegre vira “herói”

Pombo-correio de Portalegre vira “herói”

No final deste Campeonato Nacional de Fundo 2016, para além dos vencedores distritais, por zona e a nível nacional, ficam as estórias que ajudaram, e ajudam, a construir a história da columbofilia portuguesa. 

Ao seu pombal, em Cabeço de Vide, em pleno “coração” alentejano, no concelho de Fronteira, no distrito de Portalegre, chegou às 14:13:07, uma fêmea que tinha percorrido 628 307 kms. A chegada já era motivo de alegria para o seu dono, o columbófilo Nuno Micaelo, do Clube Columbófilo Asas de Portalegre, coletividade da Associação Columbófila do Distrito de Portalegre (ACD Portalegre), mas a média desta “ateta” , 1 356,692 m/m, colocou-a em destaque. O resultado é  1º do distrito, o 1º da zona 2 e  o 1º a nível nacional, na prova do passado sábado dia 18 de junho. 

A FPC foi entrevistar o columbófilo e toda a história vai merecer a sua atenção.

– Há quantos anos é columbófilo?

Nuno Micaelo (NM) – Sou columbófilo há 22 anos. Os primeiros pombos que anilhei foi em 1994.

– Como e quando é que decidiu entrar para o “mundo” da columbofilia? 

NM – Foi através de uns amigos, aqui na localidade de Cabeço de Vide, que eram mais velhos e que já tinham começado a participar em soltas. Isto é uma terra pequena, não há assim tantos divertimentos nem distrações, decidi começar a acompanhá-los, depois pedi uns borrachos, montei um pequeno pombal e entrei para este “mundo”.

Escritores e poetas têm tendência a tornar o seu discurso mais glorioso quando narram histórias que contam travessias e feitos “heróicos”, neste caso, pegando nesse exemplo podemos dizer que este pombo-correio fez uma prova épica, com tons de superação e um final notável.

Nuno Micaelo revela o que aconteceu.

Olhando para o pombo-correio que ganhou a 2ª solta de Valencia del Cid. Ele tem uma história heroica de viagem… pedia-lhe que nos contasse?

NM- A pomba foi atacada por aves de rapina. Não sabemos onde, mas acho que foi perto do pombal, as marcas são visíveis. Talvez se tivesse sido a uma distância maior de “casa”, ele ainda tivesse pousado. À entrada do pombal, junto às grades, havia sangue, o que me leva a crer que não terá acontecido longe daqui.

– Podemos dizer que este é um “super-atleta”? Que expectativas tinha nele?

NM- Eu depositava algumas expectativas neste pombo-correio, porque esta fêmea teve um irmão, que também foi a Valência no dia 18 e chegou mais tarde, que já tinha marcado muito bem em fundo. Esta pomba também está a fazer boas provas. Há 15 dias enviei-a para uma prova da ACD Portalegre, com solta em Igualada, Barcelona, e fez o segundo melhor registo. Achei que agora estava em condições de participar na solta de Valência del Cid e inscrevi-a na equipa, ela correspondeu.

As duas soltas do Campeonato Nacional de Fundo tiveram desfechos diferentes para o columbófilo, natural da terra conhecida pelas termas de Sulfúrea, e onde se crê que viveram descendestes da Família Vaz de Camões.

Olhando para a solta de dia 21 de maio. Que balanço faz? Quantos pombos enviou e quantos recebeu?

NM – Nem me fale dessa. Em 21 provas que encestei nesta campanha, posso dizer que, foi a que me correu pior. Tive muito mal no Fundo, por exemplo, esta pomba nem sequer foi. De resto tento ver o lado positivo, só perdi um pombo na solta, os que vieram chegaram muito atrasados. Tinha enviado 15 pombos-correio.

Nesta segunda solta quantos foram enviados (machos e fêmeas)?

NM – Antes desta prova, estava tentado em terminar a minha atividade columbófila. Com este resultado ainda estou a decidir o que vou fazer. Ia ser a final, portanto decidi enviar muitos pombos. Enviei os quinze na equipa, que é o limite. Depois mandei mais 30 a contar para o Pombo Ás. Por acaso escolhi bem porque os quatro primeiros que recebi foram da equipa. No total foram 45 pombos e, neste momento, já tenho 37, falta um da equipa e 7 do Pombo Ás.

Que balanço final faz do Campeonato Nacional de Fundo, especialmente da 2ª prova em que, segundo os resultados provisórios, irá ficar no 1º lugar a nível nacional, por zona e no distrito?

NM- Faço um balanço positivo, nesta segunda prova. Na primeira solta também tinha as expectativas elevadas e correu muito mal. No passado sábado – 18 de junho – as minhas ambições foram completamente superadas, foi muito bom. Nesta solta sabia que os pombos-correio estavam bem preparados. Enviei todos os meus pombos, estava à espera de um bom resultado.

Qual é a sua especialidade favorita: velocidade, meio – fundo ou fundo?

NM – Antes gostava muito de provas de velocidade e meio fundo, porque obtinha melhores resultados. Talvez tivesse receio de mandar os melhores pombos-correio para provas de Fundo. Há 3, 4 anos comecei a enviar os melhores pombos-correio, para marcarem, e , acho que agora possa dizer que já prefiro a especialidade de fundo.

Recorde a última solta do CNFundo, que decorreu em Albuixech, em Valência del Cid, no passado dia 18 de junho.

Nuno Micaelo revelou-nos mais alguns pormenores sobre a sua atividade columbófila.

 Ao nível da sua colónia. Quantos casais reprodutores tem? Quantos pombos voadores possui? Há alguma linha de pombos predominante na colónia?

NM – Tenho 15 casais reprodutores e comecei a campanha com 97 pombos-correio adultos, não tinha borrachos. Neste momento tenho cerca de 60 a voar. Há uns 9, 10 anos que um grande amigo meu do Crato, o Paulo Morais, me deu alguns reprodutores. Os avós maternos deste pombo que ficou em 1º lugar tinham-me sido dados por ele. Da parte paterna, os avós eram pombos-correio que o meu primo, Pedro Barradas, me tinha dado há vários anos. 70 a 80 % da minha colónia é à base dessas ofertas e desses cruzamentos.

Qual o sistema de jogo que utiliza? Ao natural, à viuvez ou outro, qual?

NM- Há 6, 7 anos construí um novo pombal e neste já posso praticar vários estilos, mas jogo, preferencialmente, à viuvez. Opto por colocar as fêmeas fechadas no xadrez, com os machos à frente no ninho, com o ninho semiaberto, depois, quando chegam das provas, juntam-se um pouco e ao fim de uma hora, ou duas, conforme a dureza do concurso, voltam a separar-se.

Quais são as rotinas de treino dos pombos-correio?

NM – Este ano fiz poucos treinos em linha. Durante a semana não faço esse tipo de treino porque não tenho disponibilidade horária. Fazem voo bi-diário, de manhã e à tarde, aumentando durante a semana de forma gradual até sexta-feira. Ao fim de semana tento sempre que os pombos-correio, que não participam em nenhum concurso, façam um treino em linha. A ACD Portalegre durante a campanha de 2016 fazia uns treinos que foram apoiados pela FPC, as soltas decorriam em vários locais e dava para os pombos-correio fazerem 1, 2 horas de voo e aí colocava a minha parte da colónia que não ia às provas, todas as semanas.

Em relação à alimentação dos pombos-correio, segue algum programa específico?

NM- Tenho os meus apontamentos por onde me regulo, depois depende de algumas coisas, mas, sobretudo das condições meteorológicas. Dentro do esquema que tenho definido faço sempre uns ajustes.

Para esta 2ª solta de Valência del Cid, que programa seguiram os pombos?

NM- Para lhe ser sincero, na semana que antecedeu essa prova (11-17 de junho), a alimentação até foi menos regulada do que o normal. Não tive grande preocupação porque, como lhe disse, era a última solta em que ia participar. Até fico surpreendido com isto. Às vezes com muito trabalho durante a semana, chega-se ao fim de semana e as coisas correm mal, depois quando investimos menos tempo a preparar a tudo, somos surpreendidos, como foi o meu caso, e tudo corre muito bem. É como lhe digo, eles seguiram o programa “normal” para a prova.

Ainda estão a decorrer as competições ao nível da associação? E ao nível da coletividade?

NM- Já terminámos o campeonato no fim-de-semana de 18 e 19 de junho. Depois desta prova não devo ter descido, estava em 4º geral ao nível do Fundo no distrito, em 3º no meio fundo e na velocidade não me recordo. Na classificação do Clube Columbófilo Asas de Portalegre, fiquei em 4º no Fundo.

Que balanço faz da sua companha este ano nessas provas?

NM – Fiquei agradado com a campanha de 2016. Não estava à espera que fosse tão boa, porque, possivelmente, foi a minha melhor de sempre. Foi bom a nível do clube, do distrito e nacional.

– Qual é a sensação de ter um pombo que é o primeiro classificado do distrito de Portalegre, o primeiro na zona 2 e o 1º a nível nacional?

NM – É ótimo. É espetacular saber que no meio de tantos milhares de pombos-correio, temos um, que consegue vencer os outros todos. Fica-se com um carinho ainda mais especial na ave.

Essa fêmea, que tratamento está a receber?

NM –Ela vinha com menos 2 penas na asa direita e vinha a sangrar. Tive de tratar dela. Agora não se nota nada, já está, de forma perfeitamente normal, junto aos outros pombos-correio.

– O que é que sente cada vez que recebe um pombo vindo de um solta?

NM- É uma grande alegria. Sabemos que os pombos-correio fazem um esforço imenso para chegar “ a casa” e isso até nos deixa comovidos. Há alguns cenários melhores, outros piores, mas os columbófilos sabem que cada chegada que um pombo faz é uma luta que eles travam para chegar até ao seu pombal.

– Já está a pensar na próxima época? Que planos tem para o seu futuro na columbofilia?

NM – Andava tentado em terminar esta atividade. Com este resultado não sei, fiquei surpreendido e deixou-me a pensar sobre o que vou fazer. Ainda estou a ponderar o futuro. Há muita gente a dizer para continuar, mas, sinceramente, não sei ainda.

Ainda a decidir se continua ligado à modalidade, Nuno Micaelo teve uma agradável surpresa e agora tem um “dilema” em mãos: continuar e tentar repetir o feito ou desistir e sair coroado como o grande destaque da 2ª solta de Valência del Cid. A resposta só o columbófilo a pode dar, mas para a posterioridade fica o exemplo de superação, luta e esforço dado pela sua pomba.